Notícias

26 de junho de 2020

Webinar “Desafios à Investigação e Cooperação na África Lusófona”




Instituto de Higiene e Medicina Tropical, da Universidade Nova de Lisboa (IHMT-NOVA) e a Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH) organizam no próximo dia 26 de junho um webinar especial dedicado à Diplomacia em Saúde na Era COVID-19 com o tema “Desafios à Investigação e Cooperação na África Lusófona”

A iniciativa, que conta com o apoio do Centro de Ciência LP e da Comunidade Médica de Língua Portuguesa (CMLP), tem como objetivo avaliar e discutir o impacto da pandemia ao nível da diplomacia global, tendo como principais convidados embaixadores e outros altos dirigentes portugueses e estrangeiros.

A série #1 de webinares, que contemplou seis sessões sobre “O que sabemos sobre a COVID-19”, já fechou, mas o ciclo de Webinares prossegue, a partir de julho com uma série #2 sobre “Como reorganizar os sistemas de saúde na era COVID-19“, com especial enfoque nos PALOP.
As sessões, abertas ao público para perguntas, dirigem-se a profissionais de saúde, cientistas, estudantes e todos os interessados em saber mais sobre a pandemia que está a mudar o mundo.

PROGRAMA [26 junho * 15h00]

MENSAGEM DE ABERTURA

Maria de Belém, Presidente do Conselho Consultivo do IHMT-NOVA

MODERAÇÃO

Maria Hermínia Cabral, Diretora para a Cooperação da Fundação Calouste Gulbenkian; e

Maria Amélia Ferreira, Representante da Comunidade Médica de Língua Portuguesa [CMLP].

ORADORES

António de Carvalho*, Embaixador de Portugal na República da Guiné-Bissau;

António Moniz, Embaixador de Portugal na República de Cabo Verde;

Luís Gaspar da Silva*, Embaixador de Portugal na República Democrática de São Tomé e Príncipe;

Maria Amélia Paiva, Embaixadora de Portugal na República de Moçambique; e

Pedro Pessoa e Costa, Embaixador de Portugal na República de Angola.



Para participar e colocar as suas questões neste Webinar Especial deve proceder à sua INSCRIÇÃO ou assistir LIVE no Facebook da APAH ou do IHMT-NOVA.
  



Como melhorar a comunicação com os farmacêuticos lusófonos?