Notícias

11 de dezembro de 2020

OF atribuiu Medalha de Honra a Thebar Miranda

A Ordem dos Farmacêuticos atribuiu a sua Medalha de Honra ao farmacêutico Thebar Miranda, presidente do Grupo Azevedos, pela sua ação extraordinária nos planos profissional e social, com contributos decisivos para o progresso das Ciências da Saúde e, muito particularmente, no domínio da cooperação lusófona na área das Ciências Farmacêuticas.
A entrega da Medalha de Honra ocorreu no final do primeiro dia de trabalhos do Congresso Nacional dos Farmacêuticos 2020, que decorreu em paralelo com o XIV Congresso Mundial dos Farmacêuticos de Língua Portuguesa.

A Medalha de Honra da Ordem dos Farmacêuticos destina-se a distinguir os farmacêuticos ou outros cidadãos, portugueses ou estrangeiros, assim como instituições que, pela sua dedicação, mérito e ação extraordinária, tenham contribuído de modo relevante para a valorização da atividade farmacêutica no seio da sociedade.

Thebar Miranda é presidente do conselho de administração do Grupo Azevedos há mais de 30 anos. A empresa assume-se hoje como um dos mais sólidos grupos farmacêuticos nacionais, que construiu uma plataforma de lançamento para negócios de futuro e criou uma sólida referência na indústria farmacêutica.

A internacionalização esteve sempre presente na visão estratégica empresarial e na perseverança de Thebar Miranda. Foram essas duas características da sua personalidade, assim como a necessidade de ajudar quem precisava num território onde tudo faltava, que o levaram até África, mais precisamente a Moçambique, onde arriscou investir quando ninguém o fazia, mesmo com todas as condicionantes.

O homenageado reforçou o "grande orgulho em ser farmacêutico” e receber esta distinção da OF, num evento em que se reforçam laços de cooperação lusófona.

"A minha vida foi toda dedicada a fazer medicamentos e disponibilizá-los às populações. Se não fosse a minha formação, o meu espírito e a minha cultura farmacêutica, nada teria conseguido fazer", afirmou.



Como melhorar a comunicação com os farmacêuticos lusófonos?